CULTURA

Lendas

Diversas são as lendas sobre a Amazônia.

A lenda do Eldorado e do lago Parima, que supostamente estaria ligada à fonte da juventude, provavelmente refere-se à existência real do lago Amaçu, que tinha uma pequena ilha coberta de xisto micáceo, material que produz forte brilho ao ser iluminado pelo Sol e que produzia a ilusão de riquezas aos europeus.

Sotaques

A Amazônia brasileira apresenta, de forma geral, dois sotaques: um tradicional e outro trazido pelos migrantes advindos principalmente em decorrência das grandes rodovias construídas a partir de 1960.

  • tradicional: forte presença do português europeu misturado a palavras e pronúncias das línguas indígenas tradicionais, formando expressões onde o s e o r são pronunciados de forma semelhante aos s e r do Rio de Janeiro; presença marcante dos verbos conjugados em concordância na segunda pessoa, i.e., tu fizeste, já almoçaste?, já abriste o presente que mandaram para ti? Está presente em quase toda a Amazônia, inclusive nas duas metrópoles (Belém e Manaus) e nas regiões onde a degradação ambiental não é muito acentuada.
  • sotaque dos migrantes: está presente principalmente no chamado Arco do Desmatamento (região em formato de meia-lua que vai do Oeste do Maranhão, passando por Tocantins, Sul do Pará, Mato Grosso até Rondônia), constitui-se como uma miscelânia de sotaques, principalmente de maranhense, mineiro, gaúcho, goiano e outros de várias regiões brasileiras. Têm como marca o s pronunciado de forma semelhante ao s de São Paulo e diferencia-se do sotaque tradicional por soar de uma maneira mais caipira.